[TRADUÇÃO] Dave em entrevista para a Rolling Stone sobre seu primeiro álbum solo “Prismism”.

Dave Keuning nos surpreendeu essa semana com o anúncio de um álbum solo de estreia, intitulado “Prismism”, com data prevista para 25 de janeiro de 2019!

Para celebrar o lançamento do single “Restless Legs” que aconteceu hoje (12), Dave deu uma entrevista para a Rolling Stone, contando mais detalhes do álbum.

Você confere tudo na tradução a seguir:

Dave Keuning do The Killers sobre “Flexibilidade Completa” no novo projeto solo.

Dana Trippe

Dave Keuning, guitarrista do The Killers, fala sobre seu comprometimento com sua banda principal e a criação de seu novo álbum solo.

“Eu sempre fui feliz apenas por ser o guitarrista”, diz Dave Keuning. “Todos os meus ídolos enquanto crescia – Angus Young, Keith Richards – foram guitarristas. Isso é tudo que eu realmente queria ser”.

Como um membro do The Killers nos últimos 17 anos, é exatamente isso que Keuning tem sido. Mas isso está prestes a mudar. O guitarrista já revelou um projeto solo, chamado Keuning, bem como um novo álbum, Prismism. O trabalho de 14 faixas conta com muito dos roqueiros New Wave do estilo Killers, mas também mostra Keuning desfrutando de uma longa fascinação por sons eletrônicos, teclados e baterias eletrônicas. “Esse disco mostra alguns de meus lados que talvez as pessoas não tivessem chance de ver antes”, diz ele. “Tipo, eles podem não saber que eu tinha todos esses riffs de teclado escondidos. Mas agora eu finalmente os tirei”.

Hoje, a Rolling Stone está estreando o primeiro single do Prismism, o desenvolto “Restless Legs”. Keuning o chama de uma de suas faixas favoritas no disco, embora ele também avise: “Eu não sei se uma música realmente representa o álbum. Quanto às suas origens, ele explica, ‘Restless Legs’ foi uma espécie de experimento em fazer uma rápida música pop. Eu estava em meu estúdio em casa brincando com os sons do teclado, e isso desencadeou certos riffs que eram apenas animados e divertidos de tocar”. Para o vídeo animado, ele chamou os serviços do diretor Russell Sheaffer. “Ele gastou cerca de um mês de sua vida cortando bonecas de papel”, Keuning diz com uma risada. “Eu paguei a ele, felizmente, porque demorou muito tempo – há milhares dessas coisas”.

Além de escrever a música e as letras no Prismism, Keuning também performa, salvo algumas faixas de bateria, todas as partes instrumentais. E isso inclui os vocais. “Eu nunca quis ser vocalista, porque sou muito consciente de minha voz”, ele admite. “Mas fazia sentido que eu deveria cantar uma vez que decidi que faria o que eu queria”.

A decisão de Keuning de “fazer o seu próprio trabalho”  veio depois que ele optou por fazer uma pausa do Killers em 2017. Ele ainda é membro da banda – diz estar atualmente nos estágios de “super cedo” para trabalhar em músicas de um potencial novo álbum – embora ele tenha desistido da turnê de apoio ao Wonderful Wonderful em 2017, em favor de passar mais tempo em casa com sua família. “Foi uma decisão tão difícil”, diz ele. “Mas não havia uma maneira de descobrir isso além de fazer a turnê inteira ou não fazer nada disso. E estar em casa era importante o suficiente para mim e eu sabia que não conseguiria ficar fora por um ano e meio”.

Escrever e gravar o Prismism em sua casa em San Diego permitiu que ele continuasse imerso na música sem ter que ficar longe por longos períodos de tempo. “Foi ótimo, porque eu poderia ter meu filho por perto, e eu não precisava alugar o espaço do estúdio, levar as coisas para dentro e para fora e fazer tudo isso. Tive os engenheiros e produtores que vieram até mim. Então eu poderia apenas acordar e ser criativo. Toda a experiência foi muito divertida”.

O que não quer dizer que Keuning não esteja trazendo o Prismism para a estrada. Na verdade, ele garante: “Eu tenho alguns shows que provavelmente vou anunciar em breve, e com certeza vou fazer alguns shows no próximo ano”. (Detalhes para shows estão agora em seu site.) “Obviamente, eu não estarei fazendo tanta turnê quanto os Killers já fizeram, porque se eu quisesse fazer isso, eu apenas excursionaria com o The Killers. Mas eu definitivamente quero fazer alguns shows em San Diego, e também quero ir para a Inglaterra, o México e todos os meus outros lugares favoritos para tocar”.

“Essa é a grande coisa sobre este projeto”, Keuning continua: “Eu tenho completa flexibilidade de não apenas fazer qualquer música que eu quero fazer, mas também fazer qualquer agenda que eu quiser fazer”.

Fonte: Rolling Stone

Comentários!
%d blogueiros gostam disto: